[Repost] Só tentam derrubar quem de fato incomoda

♠ Publicado por Daniel Keppler em ,,, às 12:01


Fala Fiel!

Estou hoje repostando um texto nada menos que B-R-I-L-H-A-N-T-E do Ricardo Taves, do Globo Esporte, sobre o processo contra o patrocínio da Caixa com o nosso Corinthians.

Só vou me dar a liberdade de tirar do texto o nome do tal advogado. Não dou audiência pra quem só quer aparecer em cima do nome do Timão.

Segue abaixo; vale a leitura!

"A justificativa mais cômoda que já li partiu do advogado gaúcho: ele não sabia que a Caixa Econômica Federal patrocinava outras equipes como por exemplo o Atlético-PR, o Figueirense e o Avaí. Ele não sabia que o banco estatal, patrocinava além do Corinthians, alvo de sua ação, outros três clubes justamente do sul do país. 

Pelo jeito ele também não sabe que assim como a Caixa, os Correios, o Banco do Brasil e a também citada por ele Petrobrás, patrocinam outras equipes (inclusive fora do Brasil) e também o esporte olímpico brasileiro, que expõe a marca das estatais mundo afora.

Acredito que devido a série de limitações que a OAB impõe aos advogados no quesito propaganda e marketing, fique um pouco difícil ao advogado em questão, interpretar a estratégia de marketing da Caixa e outras empresas estatais. Ainda que não me pareça complicado entender as razões que levam um banco a patrocinar um clube que tem mais de 30 milhões de torcedores, a marca mais valiosa do país, o maior poder de consumo, a segunda maior torcida, e que é detentor atual dos títulos mais importantes que um clube sulamericano pode alcançar.

Mas para alguns deve ser.

Como é simples entender porque o Banrisul, que o governo gaúcho é dono de grande parte num cômodo argumento de S/A, patrocina a dupla GRENAL: para evitar a rejeição de uma metade do Rio Grande do Sul.

Permitam-me o benefício da dúvida: vou tratar a situação como se o Antonio Beiriz não tivesse má intenção e seu argumento simples fosse que é nulo o efeito da propaganda para a CEF e que por isso é preciso que ele faça sua parte como cidadão e advogado e tente impedir que o tesouro nacional não seja lesado.

A Caixa tem seu presidente, seu departamento de marketing, e esses profissionais são encarregados de fazer o melhor pela instituição. Estatal ou não, qualquer empresa no mundo atual visa um objetivo: agregar valor a marca e obviamente, lucro. A parceira CEF/Corinthians envolve mais do que o logo estampado, mas cartões e outras ações que visam trazer o tal do ROI (retorno sobre o investimento). A quem cabe julgar? Aos profissionais ou a justiça?

Dizer que o retorno é nulo não só é equivocado como não tem embasamento técnico. Pode até ser que tenha um blá blá blá jurídico que justifique, afinal a ação passou, mas bastaria um estudo técnico, por empresas especializadas, para provar que a instituição tem e terá o que planejou desde o início: retorno.

E no final das contas, o contrato foi assinado, publicado no Diário Oficial e seguiu o caminho correto.

Agradeço o advogado, que como cidadão se preocupou exclusivamente com o tesouro nacional. E também ao juiz da causa. Não foi uma atitude clubística. Eles estão preocupados de fato com o dinheiro público.

No entanto eu estou satisfeito com a ação de marketing da Caixa e acho que o dinheiro público está bem empregado. Também sem clubismo algum.

O benefício da ironia."

0 comentários:

Postar um comentário