7 coisas estranhas sobre o San7os

♠ Publicado por Daniel Keppler em ,, às 17:33

Fala Fiel!

Não jogamos bem, mas passamos pelo São Paulo. Agora é a final, de novo contra o Santos. Aliás, pela terceira vez em 4 anos... cadê nosso rivais (de verdade)? Desistiram de disputar títulos???

Enfim... as finais começam domingo, e por isso vou fazer uns posts especiais nessas 2 semanas, o que acham? O de hoje vai falar um pouco sobre nosso adversário: sete coisas estranhas sobre o time da Vila Belmiro! (Você sabe porque SETE coisas estranhas, né? Ah tá... rs)

1 - O Santos comemora um bimundial mandrake pra preservar a imagem de Pelé e cia 

Como todo time brasileiro que (não) se preze, o Santos defende com todas as forças a tese de que seus dois títulos intercontinentais (1962 e 1963) são Mundiais. Ignoram o que a própria taça do torneio mostra na sua base - um mapa da Europa e outro da América do Sul. Dá uma olhada, aí do lado...

Não que não faça sentido - afinal, como o San7os de Pelé poderia provar que de fato era "o melhor time do mundo" se não tivesse sido campeão mundial? Infelizmente, eles não percebem que isso é um apego desnecessário a rótulos e uma arrogância exacerbada da parte deles... todos sabem da grandeza daquele time. Até mesmo nós sabemos. Não é uma taça que vai afirmar ou negar isso.
Mas que a Taça Intercontinental não é Mundial, não é. Não se trata de rebaixar o torneio, mas de dizer a verdade! Acordem santistas!

Mais sobre isso no top post do blog: 7 Verdades Sobre a Taça Intercontinental. Leiam!

2 - O Santos pode ter ganho o "Mundial-63" dopando o time e comprando o juiz (Será?)

Cinquenta anos depois, fica difícil falar qualquer coisa, mas dois jogadores afirmam categoricamente: o Santos jogou as partidas contra o Milan totalmente dopado, e o juiz daquela partida recebeu dinheiro para favorecer o time brasileiro. Celso Unzete já falou sobre o tema em dezembro de 2011 (veja link).

Um deles é Almir Pernambuquinho, o Divino Delinquente. O jogador defendeu o time entre 1963 e 64, e foi o substituto de Pelé nas duas partidas finais contra o Milan, em 63.

Até aí, nada de mais. O problema foi quando ele resolveu lançar sua biografia, chamada "Eu e o Futebol", publicada pela revista Placar. Dois trechos do livro falam por si só:

"Naquele Santos x Milan de 14 de novembro de 1963, aqui no Maracanã, eu entrei muito doido no campo. Antes de começar o jogo, Alfredinho, então assistente técnico do Lula, treinador do Santos, me chamou e falou claro, porque aquilo era normal, tão normal quanto a distribuição de camisas:
— Você quer tomar uma "bola"?
Por que eu não ia querer? O bicho era 2.000 cruzeiros: dava para comprar um Volkswagen zerinho. Nós entramos no campo vendo o automóvel ao alcance da mão. Do outro lado estavam os caras que podiam impedir isso. Era preciso então fazer tudo, a gente se matar dentro do campo, para não deixar que eles faturassem o nosso bicho."

"Depois que Alfredinho me deu a "bola", fiquei doido, na vontade mesmo. Eu estava substituindo o Pelé, e precisava dar tudo de mim, porque substituir o Negão é muita responsabilidade. [...] Eu peguei a camisa 10 mais famosa do mundo e fiz uma promessa a mim mesmo:
— Vou jogar por mim e pelo Negão."


Almir morreu aos 36 anos, assassinado, vítima de uma discussão de bar que nunca foi esclarecida. Enfim.

Amarildo
Anos depois, o brasileiro Amarildo, que jogou aquelas finais pelo Milan, afirmou o mesmo em entrevista (link). O time italiano havia vencido a primeira partida por 4x2, e venciam o jogo de volta por 2x0 até o fim do primeiro tempo.

Foi quando os jogadores santistas demoraram para voltar do vestiário no segundo tempo, e quando o fizeram, espumavam pela boca e estavam com uma vontade fora do comum. "Se houvesse exame anti-doping naquela época, todos naquela equipe seriam pegos", segundo ele.

Coincidência ou não, o Santos virou o jogo e venceu por 4x2, forçando o jogo de volta - curiosamente, de novo no Rio, e não em campo neutro. Foi nesse 3º jogo que houve a denúncia de que o juiz recebera US$ 15 mil para facilitar o jogo. Coincidência ou não (de novo), o Santos venceu por 1x0 - gol de pênalti, cavado por quem? Almir Pernambuquinho.

Almir nega na sua biografia que o pênalti tenha existido. Foi cavado, mesmo. E o juiz argentino Juan Regis Brozzi nunca mais apitou jogos pela FIFA - foi expulso do quadro da entidade.

A "favor" do Santos, fica o fato de que o doping só foi regulamentado no futebol em 1966. Mas é claro que essa é outra história, abafada pelo bem da boa imagem do time do Rei Pelé... nada pode macular o brilho daquela equipe, certo?

3 - O Santos se vangloria por um tabu que só existe pra eles

Uma coisa temos que admitir: enquanto Pelé jogou no San7os, o time deitou e rolou no Brasil. Só o Palmeiras de Ademir da Guia fez frente em SP, e o Botafogo de Garrincha no Rio, em raras oportunidades. A prova disso são os 50 gols que ele fez na gente - o adversário preferido dele.
O tal "tabu" nunca foi unanimidade
Gancho histórico à parte, fica a pergunta: se a superioridade foi tanta assim - e isso É um fato -, porque, mas POR QUE meu Deus, inventar tabu contra o Corinthians?
A maior invencibilidade do Santos contra o Corinthians é de cinco anos e nove meses, e durou entre 16/06/1962 e 06/03/1968. O tal tabu de 11 anos (entre 1957 e 1968), tão alardeado, NUNCA existiu. Isso pois entre 1957 e 1962, vencemos quatro jogos:

27/03/1958 Corinthians 2x1 Santos (Rio-SP)
21/03/1960 Corinthians 2x1 Santos (Rio-SP)
29/03/1961 Corinthians 2x0 Santos (Rio-SP)
16/06/1962 Corinthians 3x1 Santos (Taça São Paulo) 
...
06/03/1968 Corinthians 2x0 Santos (Paulista)

Isso, claro, se você for uma pessoa normal e souber o que é, exatamente, um tabu no futebol...


4 - O Santos protesta sendo goleado, massacrado, humilhado pelo Corinthians

Em 11/07/1920, ocorreu a maior goleada da história do Corinthians - e o maior vexame da história do Santos. Em jogo do Campeonato Paulista, em plena Vila Belmiro, o Santos (até então um time de várzea de pequena expressão) recebia o bicampeão paulista, Corinthians.

Apesar de a diferença técnica ser grande (a imprensa chamou o Corinthians de adversário "terrível"), o jogo começou equilibrado. O gramado, muito molhado por conta de uma chuva, atrapalhou. Mas nada impediu que, com o tempo, a nossa superioridade se mostrasse.

Os gols foram sendo feitos e o primeiro tempo acabou em 5x0 para nós. No segundo, ao ver que o jogo não melhoraria, os jogadores santistas começaram a forçar expulsões. Aos 21 minutos, Neco fazer o 10º gol corinthiano, o santista Ary Patuska (o primeiro ídolo do Santos) pegou a bola e fez um gol contra, sendo expulso em seguida. O juiz então foi obrigado a encerrar o jogo, por falta de jogadores do Santos.

Leiam mais na matéria do Estado de São Paulo de 12/07/1920, aqui à direita (clique para ampliar ou baixe a imagem para ler em detalhes, vale a pena!).

Já em 6/11/2005, no Campeonato Brasileiro, o mimimi foi menos descarado. Há quem diga até hoje que tudo não passou de um complô do elenco santista pra derrubar o técnico. Bom, se foi isso ou não, o fato é que o 7x1 foi mais que histórico!

Tevez só não fez chover naquele jogo, com 3 gols e várias outras belas jogadas... Nilmar (2x), Rosinei e Marcelo Mattos completaram.

Agora é esperar, pra ver quando a revolta santista vai voltar a virar goleada corinthiana... o fato é que esse 7x1 virou eterno, e sempre será!

5 - O Santos fez de tudo pra Pelé fazer seu milésimo gol. E mesmo assim, não fez

A menos, claro, que você faça como Romário e Túlio e coloque na conta gols marcados em jogos e circunstâncias das mais esdrúxulas.

Não que a culpa seja só do Santos. A CBD (e principalmente João Havelange) usaram e abusaram de Pelé - e do seu Santos - pra promoverem sua candidatura na eleição à Presidência da FIFA. Foram várias as excursões aos lugares mais estranhos possíveis: África Central, Caribe...

Mas a partir do momento em que o San7os propaga uma meia-verdade como fato incontestável, tem que arcar com isso! Por mais que os 1000 gols de Pelé seja mais um assunto intocável, pelo bem da honra de Pelé e seu esquadrão". Não dá pra ignorar que, dos 1120 jogos disputados pelo Pelé no Santos, somente 656 foram oficiais. Da mesma forma, dos 1033 gols que ele fez, só 643 foram em jogos oficiais (link).

Contando amistosos e partidas não-oficiais, são 464 jogos e 390 gols. Veja alguns dos jogos que foram parar na lista dos gols de Pelé, com a conivência do seu time de coração:


22/02/1959: Seleção Paulista 1x5 Seleção Carioca (1 gol nesse jogo)
21/08/1959: 6º GAC* 9x0 Docas (3 gols nesse jogo) 
11/09/1959: 6º GAC* 8x4 Santos (3 gols nesse jogo)
27/10/1959: Forças Armadas 6x1 Forças Armadas do Uruguai (3 gols nesse jogo)
19/12/1961: Sindicato Atletas-SP 4x1 Sindicato Atletas-RJ (1 gol nesse jogo)
05/04/1970: Brasil 4x1 Seleção do Amazonas (1 gol nesse jogo)
01/10/1977: Cosmos (EUA) 2x1 Santos (1 gol nesse jogo)**
21/07/1983: Seleção do Sudeste 1x1 Seleção do Sul (1 gol nesse jogo)

*GAC = Grupo de Artilharia de Campanha. É o famoso "time do Exército".
**Pelé jogou um tempo por cada time. Jogo super oficial, imagina... 

Pelé enfileirando com o time do Exército, em 1959
Bom, já deu pra entender, né?

6 - O Santos tem 101 anos de história mas conquistou 62% dos seus títulos em 18 anos

São exatamente 42 títulos oficiais na história do Santos. E desses, nada menos do que 26 foram conquistados entre 1956 e 1974 - período em que Pelé esteve no clube. Nenhum outro clube dos considerados grandes do Brasil possui tal concentração de títulos em um determinado período.

Não fosse esse período, e o Santos teria 9 títulos Paulistas (menos que o Paulistano, campeão dez vezes entre 1905 e 1929) e teria demorado apenas um ano a menos que o Corinthians para conquistar a Libertadores. Veja nos números e no gráfico:

Títulos do Santos FC (período: décadas)
Antes de Pelé: 3 títulos em 44 anos (1912 a 1956)
Campeonato Paulista: 1935, 1955 e 1956
Com Pelé: 26 títulos em 18 anos (1956 a 1974)
Campeonato Paulista: 1958, 1960, 1961, 1962, 1964, 1965, 1967, 1968, 1969 e 1973
Torneio Rio-São Paulo: 1959, 1963, 1964 e 1966
Taça Brasil: 1961, 1962, 1963, 1964 e 1965
Robertão: 1968
Taça Libertadores: 1962 e 1963
Taça Intercontinental: 1962 e 1963
Supercopa Sulamericana dos Campeões Intercontinentais: 1968
Recopa dos Campeões Intercontinentais: 1968

Depois de Pelé: 13 títulos em 39 anos (1974 a 2013)
Campeonato Paulista: 1984, 2006, 2007, 2010, 2011 e 2012
Torneio Rio-São Paulo: 1997
Campeonato Brasileiro: 2002 e 2004
Copa do Brasil: 2010
Copa Conmebol: 1998 
Taça Libertadores: 2011
Recopa Sulamericana: 2012

7 - O Santos tem um estádio igual ao Parque São Jorge, mas o santista nos chama de "sem estádio"

A Vila Belmiro foi construída logo após a fundação do Santos e inaugurada em 22/10/1916, no jogo Santos 2x1 Ypiranga. Ganhou sua iluminação em 1931 e foi reformado em 1996, se modernizando, dentro dos limites que o terreno (muito pequeno) oferece.

O recorde de público - adivinhem - ocorreu em um jogo contra o Corinthians, no dia 20/09/1964, pelo Campeonato Paulista. O resultado foi 0x0. A atual capacidade oficial é de 20798 torcedores, mas não me lembro a última vez que o Santos tenha vendido sequer 18 mil ingressos pra uma partida. Enfim.

Nem vou citar o fato de que o Corinthians também construíu seu estádio logo após a fundação (o estádio da Ponte Grande foi inaugurado em 1918), vamos direto às comparações:

O Parque São Jorge foi inaugurado em 22/07/1928, em um amistoso contra o America-RJ. Teve sua iluminação colocada em 1961, foi sede do futebol nos Jogos Pan-Americanos de 1963. Foi reformada em 1992, e recebeu seu último jogo em 2002, pois o estádio não comportava mais a demanda de público. Fazer o quê, se a torcida é Fiel de verdade!

O recorde de público é de 28 mil pessoas, em um jogo contra o Santos em 1947. A capacidade atual do estádio é de 18 mil lugares - apenas dois mil a menos que a Vila.

Vejam a foto abaixo. Notem a estrutura. É clara a semelhança entre as estruturas dos estádios.


Ou seja: se somos sem-estádio, vocês também são...

-x-

Espero que tenham gostado! Se quiserem posso fazer mais posts desse tipo, sobre outros times!

Aguardo comentários!

Fontes: Wikipedia - vários links, Canelada, Acervo Santos FC, Acervo SCCP, FutDados
Agradecimentos especiais ao parceiro corinthiano Felipe Prevedello, que me deu algumas das dicas que estão nesse post. Obrigado amigo!


 

3 comentários:

  1. texto muito bom. Destrói estereótipos. Parabéns

    ResponderExcluir
  2. Saudações Daniel. Muito bom seu post, por isso acompanho dá voz ao Corinthianos que conhecem a história descreevendo fatos como são, combatendo a midia que nos persegue desde a fundação em 1910 pela oligarquia "bambi".
    Fiquei muito contente com o post e agradecido pela lembrança, com certeza estarei atento para os futuros posts que demonstram o lado imundo dos rivais. sinceramente, fiquei impressionado com a notícia da goleada de 11x0, muitos jornalistas não conseguiram o que você conseguiu, meus parabéns. Um único detalhamento faltou. Os tabus que o Corinthians impôs ao pseudo time do pseudo tabu, pois como AQUI É CURINTHIA! o tabu foi em qualquer competição e não somente em uma como na contagem lambari. durou 8 anos e três meses.
    desde 31 de julho de 1975 à 23 de outubro de 1983. Além do tabu de mais de 8 anos que o Corinthians impôs ao time do Santos houve um sequência de 08/06/1969 a 26/11/1972 (3 anos) em que o Santos/Pelé permaneceu sem ganhar do Corinthians em qualquer torneio.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Daniel pelas verdades incontestáveis que foram colocadas. E' preciso - isso ja coloquei na internet -que os Jornalistas Brasileiros sejam mais profissionais e menos apaixonados por seus clubes do coracao!
    E' simplesmente ridículo reportagens falando de títulos mundiais de clubes que venceram a Copa ( ou Taca) Intercontinental. Isso so acontece aqui no Brasil. Nenhum clube estrangeiro, da Europa ou da America relata em seu histórico de títulos essa conquista como sendo um titulo Mundial . Nem mesmo no site da Commebol e da UEFA - Entidades organizadora da Taca Intercontinental - consta essa competição como mundial. Alias, Atualmente, nesses sites nem mesmo 'e mais feita referencia a essa Taca ( ou Copa)..

    ResponderExcluir