A Marca da Arena - Parte 2: Grupo Petrópolis

♠ Publicado por Daniel Keppler em ,,,,,, às 15:45

Fala Fiel!

Quero começar esse post agradecendo a todos que leram e comentaram a parte 1 da série, sobre a Etihad Airways (confira AQUI). Não sabia qual ia ser a reação, afinal essa é uma série baseada em especulações da imprensa... pois o Corinthians nunca confirmou o nome de nenhuma empresa candidata a comprar o nome do nosso estádio.

Mas, vocês curtiram e receberam bem o resultado da pesquisa, então... vamos prosseguir. A empresa de hoje é o Grupo Petrópolis (antiga Cervejaria Petrópolis), empresa dona da cerveja Itaipava! Vamos lá?

ANÁLISE DE MARCA: GRUPO PETRÓPOLIS
(BRASIL)

A informação de que havia interesse do Grupo Petrópolis nos naming rights da nossa Arena surgiu no jornal Folha de São Paulo, na coluna Painel FC. Não vou printar a tela, pois a Folha não nos respeita e já deu nome ao estádio... mas se você quiser ver a notícia, segue link. A partir daí a notícia se espalhou. Até que o nosso eterno presidente Andres Sanches confirmou o interesse.

Mas que empresa é o Grupo Petrópolis? Essa marca possui a grandeza necessária pra firmar uma parceria com o Todo Poderoso? Vejamos:

A então Cervejaria Petrópolis foi fundada na cidade de mesmo nome, no Rio de Janeiro, em 1994. Quatro anos depois, foi comprada pelo empresário Walter Faria, e sob seu comando, se expandiu: em 1999, adquiriu a cerveja Crystal. E no ano seguinte, anunciou parceria para produzir no Brasil a Weltenburger Kloster, cerveja alemã que consta entre as mais antigas do mundo - foi criada no ano de 1050.
Ficou conhecida por ter sido a primeira empresa a comercializar seus produtos com o selo de proteção. No início a inovação foi muito questionada, mas hoje é usada por muitas outras marcas.

Atualmente, ainda detém a produção das marcas Lokal, Petra, Black Princess, TNT Drink Energy, Blue Spirit, Nordka e Ironage.

Desde o fim de 2011 o Grupo Petrópolis está na vice-liderança do ranking de venda de cervejas no Brasil, atrás apenas da AmBev. Talvez por isso, a empresa é cobiçada por multinacionais, mas nunca cedeu às ofertas. Dentre as empresas que teriam se interessado, constam a Schincariol (2010) e a Heineken (2012).
Legal, mas e o apoio ao esporte?

O interesse do Grupo Petrópolis no apoio a eventos esportivos é recente, mas vem crescendo muito a cada ano que passa. Ainda assim, a grande maioria dos investimentos é voltada para o automobilismo. Confira:

Equipe Brawn GP (Fórmula 1 - 2009)
A empresa fechou em agosto de 2009 um patrocínio pontual com a Brawn GP, durante o GP Brasil de Fórmula 1, com a marca Itaipava. Dois meses depois, ampliou o acordo com para realizar o lançamento da bebida TNT Energy Drink.

Com o fim da equipe, não houve oportunidade para negociar qualquer tipo de renovação ou ampliação do acordo.


Scuderia Ferrari (Fórmula 1 - 2012 a 2014)
O acordo com a Ferrari foi anunciado em março de 2012, com a duração de três temporadas. A marca escolhida também foi a TNT. Na época, o chefe da escuderia, Stefano Domenicali, afirmou: “Estamos orgulhosos em receber um novo parceiro no time dos fornecedores oficiais da escuderia”. E completou: “A marca TNT está crescendo rapidamente e já estabeleceu uma presença significativa no mundo dos esportes automotivos.”


300 Milhas de São Paulo (Fórmula Indy - desde 2011) 
Desde 2011 a marca Itaipava patrocina a etapa de São Paulo da Fórmula Indy. O circuito de rua é conhecido como um dos mais desafiadores da competição. A partir daquele ano, a etapa passou a se chamar "Itaipava São Paulo Indy 300". Posteriormente, a Nestllé também passou a integrar o nome da prova.


Mais patrocínios no automobilismo
Em outras modalidades do automobilismo, o Grupo Petrópolis também está presente. Na Fórmula Truck, por exemplo, cinco pilotos são patrocinados pela cerveja Crystal (Adalberto Jardim, André Marques, Débora Rodrigues, Felipe Giaffone e Leandro Totti). Na Fórmula Indy, Tony Kanaan foi patrocinado pelo grupo, com as marcas Itaipava, Crystal e TNT.

A Stock Car e a Itaipava GT Brasil são outras modalidades do automobilismo onde o Grupo Petrópolis se fez presente.

Tony Kanaan ao lado do carro que usou na Fórmula Indy 2011
Itaipava Fonte Nova (Futebol - 2014 - 2023)
Talvez o mais recente acordo realizado pelo Grupo, e o que mais nos interesse. Em abril, foi anunciada a compra dos naming rights da Arena Fonte Nova pelo prazo de 10 anos. A marca escolhida para nomear a Arena foi a Itaipava.

O valor da compra foi de R$ 100 milhões, ou R$ 10 milhões por ano - a metade do que o Corinthians pede pelos direitos do nome da nossa Arena.


Outros patrocínios
Existe um leque grande de patrocínios pontuais (principalmente com o uso das marcas TNT e Ironage) nos mais diversos esportes. Exemplos são o surf, stand up paddle, skate, atletismo e ciclismo. 

A lenda do skate mundial, Bob Burnquist, é atleta da TNT Energy Drink. Rony Gomes, patrocinado também pelo Corinthians, é outro que possui o apoio da marca. No MMA, temos como exemplo o lutador Junior Cigano.

Junior Cigano, estrela do MMA

Rony Gomes exibe a marca TNT no skate, durante apresentação no Corinthians



CONCLUSÂO

O mercado de bebidas, principalmente a cerveja, cresce muito a cada ano no Brasil. Somente no ano passado, movimentou nada menos que R$ 17,7 BILHÕES. E para esse ano, estão previstos investimentos da ordem de R$ 2,5 bilhões.

É certo que muito desse constante crescimento de deve ao boom que esse mercado viveu após o surgimento da multinacional InBev, e antes disso da criação da AmBev, que domina o mercado brasileiro. Mas as outras cervejarias aproveitaram para crescer. Prova disso é que a Cervejaria Petrópolis aumentou o número de fábricas de uma para três, adquiriu novas marcas, passou a produzir outros tipos de bebidas e virou o atual Grupo Petrópolis.

Depois de se transformar em referência no apoio ao automobilismo brasileiro, e também a atletas de esportes radicais, a empresa se esforça para aproveitar ao máximo as oportunidades que a Copa irá oferecer. Baseada principalmente no tal "legado" que o evento promete trazer, como a melhoria no suporte aos turistas (estão previstos R$ 212 milhões de investimentos nesse setor) e também também na mobilidade urbana (mais R$ 11,7 bilhões em investimentos).

O primeiro alvo foi a Arena Fonte Nova. Dois motivos parecem claros para entender a opção: o fato de a Arena estar localizada no Nordeste, região que mais cresce no Brasil; e mais do que isso, o fato de estar localizado na Bahia, um dos estados com maior potenciual esportivo da região. Talvez apenas Pernambuco se equipare, e não é à toa que a Arena Pernambuco também está sendo assediada pela empresa, junto com o Mineirão e o Beira-Rio.

Ao fechar os naming rights por R$ 100 milhões, o Grupo Petrópolis fez o que todos estavam esperando: estabeleceu um parâmetro de preço. Isso deve ter sido importante para os cartolas corinthianos, que viram que a pedida de R4 20 milhões anuais, por 20 anos, não é exatamente a pechincha do ano.

Mas também não é um valor impagável. A torcida corinthiana é a que possui o maior potencial de consumo do país, além de ser a segunda maior - somos mais de 30 milhões. Além disso, há anos a fio temos a maior média de público do país - salvo exceções esporádicas como o Flamengo campeão brasileiro de 2009 e o Santa Cruz campeão da Série D de 2012.

Só ano passado, a Fiel gerou ao Corinthians R$ 35 milhões em bilheteria e sabe-se lá quantos milhões aos comércios nos arredores do Pacaembu. Não creio ser difícil que o Grupo Petrópolis conseguisse o retorno financeiro de R$ 400 milhões em 20 anos.

Ainda assim, as últimas informações são de que as negociações se encerraram. O Grupo Petrópolis teria se "assustado" com a pedida do Corinthians. Mas nos negócios do futebol, é bom ficar de olho. Nem sempre o "não" de hoje se sustenta amanhã.

Na minha análise, seria uma outra excelente marca. Eu não seria contra ter a Itaipava, ou a TNT nomeando nossa Arena!

E você, o que acha? Comente!

O próximo post será sobre a Caixa Econômica Federal. Aguarde!

Fontes: Wikipedia (vários links), Grupo Petrópolis - site oficial (vários links), Portal No Varejo, Total Race, Auto Racing, Lancenet!, Terra, Faixa Preta

2 comentários:

  1. Dados técnicos e muito bem fundamentados. Arena TNT...Arena Itaipava...Também acho que seria legal para ambas as partes.

    ResponderExcluir
  2. Ótimo post! Muito bem explicado, parabéns. Mas ainda prefiro Etihad Stadium ou Etihad Airlines Arena. Abraço!!!

    ResponderExcluir