O que dizem os números do Corinthians no primeiro semestre?

♠ Publicado por Daniel Keppler em ,,, às 04:14

Fala Fiel!

Saudades de escrever no blog... faculdade tava apertando e precisei apagar uns incêndios por conta do último post hehe... mas faz parte. Hoje o tema é mais leve, pra ninguém ficar com raivinha de mim, OK?

Um debate que frequentemente ronda as conversas sobre futebol é a respeito da importância da regularidade no futebol. De fato, vale a pena manter um elenco, passar por cima de fracassos, em nome de um suposto "bem maior", de um sucesso a longo prazo? E se os títulos não viessem? Qual o limite da confiança que deve ser depositada em um trabalho, tanto em relação a jogadores quanto a técnicos?

O Corinthians mostrou que era possível fazê-lo - dar sequência a um trabalho mesmo depois de "fracassos" - ao manter Tite no comando do time após o "Toliminado" de 2011. De lá pra cá, quatro títulos e a soberania do futebol brasileiro.

No entanto, esse ano, MESMO com o título paulista, é possível ouvir questionamentos. Será que ainda valia a pena? Será que não era hora de mudanças?

Cheguei a ouvir pedidos por Muricy Ramalho - pois deveríamos aproveitar que ele estava livre pra garantir a "sucessão" de Tite em 2014. Enfim. Disso falo depois.

Meu ponto agora é outro: o que vou mostrar a vocês agora são alguns números da temporada. Porque agora? Porque o Corinthians não joga mais nesse semestre - só volta a entrar em campo no dia 3 de julho contra o São Paulo. Que oportunidade melhor pra avaliar um trabalho que não a metade exata de uma temporada?

O 27º título Paulista foi o ápice de um 1º semestre não tão bom assim
Vamos lá então, aos números?

Em 2013 o Corinthians já jogou 36 partidas. Das quais venceu 16, empatou 15 e perdeu outras 5. Aproveitamento de 58,33% dos pontos disputados. Fez 52 gols (média de 1,44/jogo), e levou 25 (0,69/jogo). Eliminado nas oitavas da Libertadores pelo Amarilla Boca Juniors e campeão Paulista sobre o Santos.

Parece ruim? Vai começar a gritar "olha aí a empaTite"? Acha que já deu para ele??? Espera. Esses números revelam muito sobre os problemas do Corinthians em 2013... basta compará-los com os números de outras temporadas.

É, isso mesmo. Esqueça as análises táticas, e as transferências... às vezes, uma tabela basta pra entender o que se passa. Olha só:

% DE VITÓRIAS, EMPATES E DERROTAS DAS ERAS TITE

Aí estão dados das duas passagens de Tite pelo Corinthians. Isso pois verifiquei que, estatisticamente, os trabalhos são bem semelhantes... ele tem uma habilidade surpreendente de dar as suas características às equipes que dirige, e achei válido mostrar isso pra vocês. 

Notem na primeira tabela que os times do Corinthians, com o Tite, sempre venceu algo como uma em cada duas partidas. O ano em que menos vencemos foi 2004... e ainda assim, foram 18 vitórias em 39 jogos (46,1%).  Da mesma forma, sempre perdemos pouco. Ignore 2005 e 2010, pois foram poucas partidas. Nas outras temporadas, as derrotas vieram, em média, em 20$ dos jogos (um em cada cinco)

Ao ver essa tabela, constatamos o primeiro grande problema do Corinthians em 2013: a falta de poder de decisão. Isso fica claro ao se notar que, ainda que tenhamos perdido bem menos que a média (apenas 11,8% dos jogos), não conseguimos vencer mais. Pelo contrário: vencemos MENOS e empatamos quase METADE  dos jogos. 

É empate demais pra uma equipe que sonha alto. E isso é a primeira coisa a se resolver pro segundo semestre: voltar a transformar empates em VITÓRIAS!

MÉDIAS DE GOLS PRÓ E CONTRA DAS ERAS TITE

Entre as duas tabelas, essa é a de que gosto mais. Porque é a que mais escancara nosso estilo de jogo, com Tite: fazer poucos gols, mas levar menos ainda e vencer.

Quem aí não se lembra do time de 2004 que pulou do 18º para o quinto lugar do Brasileirão na base do 1x0 e do 2x1? E agora, me responde: foi muito diferente em 2011?

Com Tite, o Corinthians sempre manteve sua média de gols sofridos abaixo de um por jogo. Da mesma forma, nunca ficou com média de gols pró muito maior do que 1,5 gol por jogo.

O curioso, talvez, é verificar que foi justamente em 2013 que o Corinthians conseguiu superar essa barreira. Sim, isso mesmo: o Corinthians atual é o que, na média, mais fez gols e menos sofreu, de todas as temporadas com  Tite no banco (desconsiderando os 8 jogos de 2005). E isso não deixa de ser estranho, ainda mais sabendo do jejum de gols do ataque (dez jogos, né Pato?).

Pato é o símbolo de um Corinthians que nunca se ajustou 100$ em 2013
É então que surge a dúvida: se o perfil ofensivo do Corinthians é o mesmo de outras temporadas e mesmo assim estamos vencendo menos, qual o verdadeiro problema? Teria Tite mudado seu estilo esse ano? Teria o Corinthians feito o Tite mudar? Nosso time, esse ano, é naturalmente mais ofensivo, e a falta de pontaria nos fez perder pontos importantes?

Que lições podemos tirar do primeiro semestre, para que no segundo possamos voltar a comemorar vitórias e titulos? São perguntas que cabe serem analisadas, e é isso que vou fazer, durante as férias. Com a ajuda de vocês, nos comentários aqui no blog, no Meu Timão e no Facebook.

Espero que tenham gostado! Vai Corinthians!!!

NOTA: Os dados estatísticos das tabelas não consideram os últimos dois jogos do Corinthians esse ano. As tabelas já haviam sido feitas, mas o post acabou atrasando. 


1 comentários: