O Corinthians USA já existe e planeja entrar na liga profissional em 2014; saiba mais!

♠ Publicado por Daniel Keppler em ,,, às 16:50
O que você pensaria se eu te dissesse que existe um Corinthians nos EUA, e que além de ele estar liderando o campeonato que disputa, planeja construir até 2020 um complexo esportivo com sede social, CT, hotel e estádio para 15 mil pessoas? Que estou louco, possivelmente.

Mas não, não estou louco. Isso está acontecendo, e agora mesmo. O Sport Club Corinthians USA, como é chamado, começou suas atividades há cinco meses e já vem causando excelente impressão na Califórnia, onde está sediado.!

Conversei por 45 minutos com Josias Baptista Montegan, presidente do clube, e por mais 20 minutos com Jorge Silva, o Palhinha, responsável pela Academia e técnico do time adulto, e obtive mais informações sobre essa história que poucos de vocês devem conhecer!

Esse é o elenco do Corinthians USA, que tem 12 brasileiros
Sport Club Corinthians USA: como a ideia surgiu

“Já havia morado nos EUA por 14 anos e voltei em 2007. Há alguns anos, notei a possibilidade de expor a marca Corinthians aqui, por meio de uma parceria, e então entrei em contato com o Roberto Toledo e o Fausto Bittar [gerente e diretor de Esportes Terrestres do Corinthians]; mas a idéia do clube era fundar uma escolinha no país. Debatemos e concluímos que o melhor seria cuidar da formação profissional dos atletas”, afirmou Josias, empresário do ramo de comunicações e dono da Rede ITV, canal de televisão americano.

As conversas resultaram no chamado Corinthians Soccer Academy – padrão de parceria que deverá ser seguido em todos os países onde se quiser criar um Corinthians. Trata-se de um modelo onde o clube não cuida somente da formação do atleta, mas também do ser humano. “Os jovens estudam inglês, se preparam culturalmente pra atuar em outro país”. A ideia é proteger o atleta da insegurança que atuar longe de seu país pode representar.

Mas, se a idéia era criar a Academia, porque criar um time adulto também? O presidente responde: “Muitos times europeus têm academias aqui. Times como Barcelona, Celtic. Mas esses clubes fazem excursões para cá, dão o suporte. Coisa que o Corinthians não tinha como oferecer, principalmente por causa do calendário. Então surgiu a necessidade de criar o Corinthians USA, para que os jogadores formados na Academia pudessem seguir representando o clube”.

Palhinha completa: “Quando se criou a equipe adulta, foi justamente para que os alunos da academia vissem que era possível, em um futuro próximo, também estar representando o Corinthians USA depois de formados, e como o clube tem um planejamento de onde quer chegar, o jogador vê sentido em trabalhar desde pequeno na academia, se formar e permanecer conosco”.

Apesar de a academia e o clube terem sido fundados legalmente em 2010, eles saíram do papel apenas mais tarde: a academia em junho de 2012, e o clube somente em abril desse ano. Para tocar ambos os projetos, Josias convidou Palhinha, a quem conheceu em 2008 no Brasil. “Estreitamos a amizade, e eu sabia que quando fosse a hora, o chamaria para fazer alguma coisa juntos” – afirmou Montegan. Palhinha completa: “Em 2011, o Josias me ligou e disse: estou tocando o projeto, quer vir? E eu fui, primeiro sozinho, depois levei a família”.

O Corinthians USA e o ‘brazilian style’
Um dos campos de treinamento do clube
O trabalho no Corinthians USA chamou a atenção desde o início pela organização dentro e fora de campo. O resultado é que, com menos de dois anos de vida, o clube vem conquistando adeptos. “Já existe, inclusive, uma demanda por materiais para comercializar com os torcedores; na maioria, eles buscam camisas do Corinthians brasileiro para comprar” – conta Josias.

“Estamos chamando a atenção pela nossa forma de trabalhar. Treinamos em dois períodos de segunda a sexta, e trabalhamos muito a parte física e tática, coisa que não se vê por aqui. Eles chamam isso de ‘brazilian style’, e alguns times estão copiando, devido aos resultados”, disse Palhinha.

E não é por menos: na última temporada, as equipes sub-13 e sub-15 da Academia conquistaram os títulos de suas ligas, e o sub-23 foi vice-campeão. Já o sub-19 chama a atenção pelo poder ofensivo: “Em sete jogos eles fizeram 68 gols. As partidas têm recebido público, que acompanha o time. Até as menininhas vêm aos jogos, que nem acontece no Brasil” – lembra Palhinha, bem humorado.

A Academia tem seus trabalhos divididos em sete times: sub-8, sub-10, sub-13, sub-15, sub-17, sub-19 e sub-23. Cada equipe tem seu próprio treinador, um diferencial do Corinthians, pois as outras equipes têm um técnico para dois ou três times diferentes. As crianças podem integrar a Academia a partir dos seis anos, e a rotina é puxada: das 8 às 15h30, escola; depois, os treinos, a partir das 17 horas.

A academia recebe alunos a partir dos 6 anos de idade
Palhinha em ação com o time U23 do Corinthians USA
A estrutura da Academia é elogiada por Palhinha: “O início do trabalho foi envolvido em papeladas, mas quando começamos os treinamentos já tínhamos uma estrutura bacana. Tem que ter curso pra ser treinador, e o cronograma (schedule) dos campeonatos é muito antecipado, e se mudar todos os times são avisados. Existe toda uma mobilização por parte da liga e dos clubes”. E completa: “Começamos a receber os garotos depois de fazer propagandas com panfletos, no rádio, e campanhas de marketing. No começo, tivemos alguma dificuldade, pois aqui a mentalidade de treinos diz que pra ser bom tem que sentir dor. Nós achamos que pra ser bom tem que treinar” – afirmou.

Já a equipe adulta, que tem 12 brasileiros, foi formada, em sua maioria, por jogadores emprestados por empresários. Muitos são enviados para adquirir experiência e visibilidade. “Recebemos, por exemplo, um atleta através do Assis [irmão do jogador Ronaldinho], que se chama William Gil. Ele integra nossa equipe”, lembra Josias.

Outros atletas que chegaram para fazer parte do time foram Luis Ciriaco, Jadilson Veira, Bruno Guedes e Fábio Tomiossi. Eles se juntaram a outros seis brasileiros que já estavam nos EUA, aos ‘hispanos’ Edgar Espinoza e Victor Mendoza (que já jogou na Francana em 2012) e a alguns atletas norte-americanos.

Outros que ajudaram muito na formação deste primeiro elenco do Corinthians USA foram: Gigio Sareto (proprietário do restaurante Caravana), Júlio Cesar Passareli (treinador do EC São Bernardo), Tiba (ex-jogador de futebol) e José Antonio Bressan (empresário de futebol). 

O Corinthians USA dentro do sistema de ligas norte-americano

O Corinthians USA teve sua inscrição aceita para disputar a divisão Premier da Coast Soccer League (CSL), uma liga amadora que é como um estadual da Califórnia. Ela equivale a aproximadamente a 5ª divisão do futebol estadunidense.

O complicado sistema de ligas dos EUA
Apesar de amadora, a CSL é um torneio importante, revela Josias: “Essa liga tem mais de 40 anos de existência. É como a Copa Kaiser no Brasil, mas tem abrangência nacional e conta com clubes fortes, de alto nível técnico. Também possui apoio das entidades e das torcidas. Seus jogos são transmitidos pela Fox, inclusive”.

Quem organiza a Coast Soccer League é a South California Association, que é uma entidade-membro da USASA (United States Adult Soccer Association). Essa, por sua vez, é a única entidade autorizada pela federação de futebol dos EUA, a USSF, a organizar o futebol amador no país.

A disputa dessa edição começou no mês passado e vai até março do ano que vem. O campeão vai para a disputa do US Open Cup, que reúne todos os campeões das ligas locais. Quem vence a US Open Cup, por sua vez, recebe um prêmio de US$ 500 mil mais um convite para disputar um torneio na Europa.

Por enquanto, o Corinthians vai bem: em dois jogos, duas vitórias: na estréia, 2x1 sobre o Artesia. Em seguida, um acachapante 13x0 no Pateadores SC, uma das mais tradicionais equipes da região (veja no video abaixo). “Muitos, depois do jogo, ficaram se perguntando: que time é esse, que chega aqui e ganha de 13 do Pateadores?” – lembra Palhinha.


Corinthians USA na Major Soccer League? 

Mesmo com a temporada apenas no início, porém, a equipe faz planos de voar mais alto ano que vem: “Estamos buscando patrocínios para a camisa e investidores para disputar a USL [United Soccer League] ano que vem”, revela Josias. Ele continuou: “É um passo acima, mas é custoso. Nosso orçamento anual teria que subir para mais ou menos US$ 5 milhões” – conclui. A USL tem duas ligas: a USL Pro, que equivale à terceira divisão (profissional) e é onde o Corinthians USA pretende estar; e a USL PDL, que é dividida em conferências e equivale à quarta divisão (amadora). 

Para chegar lá, no entanto, o clube precisa ser estável financeiramente, pois para disputar a USL, por exemplo, é necessário depositar antecipadamente, em um banco, US$ 1,5 milhão – e este se responsabiliza por fazer os pagamentos aos atletas. É uma garantia de que os jogadores nunca vão deixar de receber. Nem o clube é autorizado a mexer nesse dinheiro, depois de depositado. 
Os entidades envolvidas atualmente na vida do Corinthians USA
Esse rigor financeiro tem permitido o crescimento e desenvolvimento dos clubes, e assim as ligas têm se fortalecido, o que acabou transformando o que é possivelmente um sonho dos torcedores – ver o Corinthians USA na MLS, principal liga dos EUA atualmente – em algo dispensável, em curto prazo. Josias explica:

“Chegar à MLS não é, hoje, muito importante na MLS, uma vez que o grupo que foi formado para disputar a USL Pro já conta com público suficiente para fazer frente à MLS. Tanto que já existem ligas paralelas, como a North American Soccer League (NASL, considerada pela USSF como a segunda divisão nacional). É na NASL que está o New York Cosmos, o próprio Pelé veio pessoalmente para sua re-fundação. Nós precisamos saber que o ‘soccer’ profissional começa apenas a dar os primeiros passos aqui, e vão sobreviver os que já fincaram sua bandeira no país.”

Mas, ao fim, o presidente faz uma ressalva: “De qualquer maneira, não se exclui a possibilidade de estar na MLS e disputar esta liga, em poucos anos...”

Os planos do Corinthians USA para o futuro

Além de progredir nas ligas, o Corinthians tem outro sonho: a construção de um complexo esportivo que vai reunir, em um só terreno, sede social, centro de treinamento, hotel e estádio para 15 mil torcedores. 

“Já submetemos três projetos à cidade, que pediu alterações para nos adequarmos às leis exigidas. Agora apresentamos a quarta versão para dar continuidade às obras. O local desse complexo já foi definido: será em um terreno que era de um parque e tem o dobro do tamanho do Ibirapuera. A sede social deve ficar pronta no final de 2015, mas todo o complexo deverá ser concluído somente em 2020”, diz o presidente. 

Um projeto desse porte tem seu custo: US$ 400 milhões, que segundo Josias será arrecadado com a participação de investidores e com a venda antecipada de apartamentos do hotel.

O Corinthians USA está sediado na cidade de Rancho Cucamonga (veja localização no mapa). O nome pode ser engraçado, mas os motivos para a escolha da cidade é estratégico, como mostrou Josias: “Essa cidade já foi uma das 25 melhores para se viver nos EUA; se situa no Condado de San Bernardino, o maior da Califórnia; ainda está em uma região que já revelou muitos jogadores cedidos para as seleções masculina e feminina dos EUA”. 
À esquerda:: Califórnia em destaque. Ampliado: sul do estado, com a localização da cidade
Também vale lembrar a proximidade com grandes centros turísticos dos EUA, o que incentivou a inclusão do hotel no projeto do complexo esportivo. “Queremos criar um ambiente onde o corinthiano possa ver os jogos do time e depois ir passear. Estamos a 30 minutos de Hollywood, a 45 minutos da Disney, a 50 minutos da praia de Santa Monica, a 1 hora de Malibu e do Sea World e a 3 horas de Las Vegas”, diz Josias.

A relação com o Corinthians Paulista e seus torcedores

Mesmo de longe, o Corinthians Paulista mantém vínculo com o irmão americano. Duas vezes por ano, o Timão envia aos EUA uma publicação em inglês com notícias do Brasil; além disso, disponibilizam uniformes para a equipe. Já o Corinthians USA paga royalties ao clube brasileiro. A relação, como observou Josias, é próxima: “Estamos sempre no Brasil, e eles sempre vêm pra cá. Mantemos laços estreitos”.

Perguntei ao Palhinha, agora técnico, o que pensa da fase do Corinthians Paulista. Ele me disse: “Eu admiro a forma de como o Tite trabalha com os jogadores, e vimos agora a atitude deles em relação à situação atual da equipe. Eu não mudaria muita coisa, mas pediria contratações para a zaga e para as laterais... vi que foram feitas reposições mas um time como o Corinthians teria que ter mais peças, para o caso de uma emergência, contusão, convocações para seleções, cartões... mas o time é muito bom.”

Josias Baptista e Palhinha com um dos troféus já conquistados pela Academia
Tanto Josias quanto Palhinha citaram a importância do apoio de corinthianos brasileiros, que vão à Califórnia e acabam conhecendo o time americano. Para aumentar esse contato, o Corinthians USA criou perfis nas redes sociais e vai começar a transmitir suas partidas pela internet. Dessa forma, o Corinthians USA se planeja para alçar vôos muito altos no futebol norte-americano, e contando com o carinho inconfundível da Fiel torcida!

Por fim, Palhinha deixou sua mensagem: “Sempre contei com o respeito da torcida quando jogava, e agora quero agradecer por isso e por tudo o que o corinthiano vem demonstrando, agora que trabalho aqui no Corinthians!”

Com uma boa estrutura e um trabalho sério e diferenciado, o Sport Club Corinthians USA promete crescer cada vez mais nos EUA. Será que estamos perto de ver um Timão brilhando nas grandes ligas norte-americanas? É esperar, e torcer muito!

Acompanhe o Corinthians USA na internet:
Site oficial: clique aqui
Perfil no Facebook: clique aqui
Canal no YouTube: clique aqui
Canal no Livestream: clique aqui

* Agradecimentos especiais a Josias Baptista e ao Palhinha pela atenção prestada!

4 comentários:

  1. Olá, Daniel, beleza? Este clube existe através de parceria, como foi o Corinthians Paranaense, ou é de propriedade do Corinthians, mesmo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Juliano,
      Trata-se de uma parceria sim, o Corinthians oferece a marca e uma espécie de suporte técnico para a Academia de Futebol que for montada no exterior. Mas o clube em si é independente. Lá no início do artigo isso tá explicado melhor. Se tiver mais alguma dúvida, é só perguntar!

      Excluir
  2. Nossa cara, primeiro o Sport Club Corinthians Santa Fé (que ao que me parece, e só uma fachada na Argentina) e agora o SCCUSA, o Corinthians ta se espalhando pela América. Esse foi o post mais organizado sobre esse time que eu já vi, exatamente o que eu tava procurando saber

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço as palavras, Geneci! Ainda essa semana, vou postar um balanço dos jogos disputados em novembro pelo Corinthians USA... as coisas andam muito bem por lá... acompanhe!

      Excluir