Análise: repercussão do título do Bayern na imprensa do Brasil e do mundo

♠ Publicado por Daniel Keppler em ,, às 01:01

Esse é o último de uma série de posts que escrevi nesses últimos dias, sobre o Mundial de Clubes, Copa Intercontinanal e suas diferenças. E nesse post final, vou mostrar um pouco de como foi a reação da mídia ao título do Bayern München.

Desde que o time alemão venceu o Raja Casablanca, em Marrakesh, por 2x0, estou fuçando a Internet, atrás de notícias, artigos e afins sobre a final, e que mostrem as impressões da mídia sobre a partida. Afinal de contas, os bávaros são bicampeões da Copa Europeia/Sulamericana (vulgo Copa Intercontinental), em 1976 e 2001.

Não bastasse isso, o Bayern é um dos quatro times que, em suas galerias de troféus online, colocam as Copas Intercontinentais como Mundiais. Os outros três são o também alemão Borussia Dortmund e os holandeses Ajax e Feyernood.

Mas, vamos às reações?

Mídias Nacionais

Bom, nem todas são surpresa. Por exemplo: meios de comunicação brasileiros saudando o "tri-campeão" mundial, voltando a dar à Taça Intercontinental um status que nem seus organizadores deram.

Dá pra verificar isso em matérias do Globo Esporte (link), Folha de SP (link), Zero Hora (link), Placar (link), Lance! (link), entre outros. A Globo foi a mais escrachada na rasgação de seda, listando os "maiores campeões mundiais", entre eles Milan, Peñarol e São Paulo. Veja trecho:

"Este é o terceiro título mundial do Bayern de Munique, o primeiro com a chancela da Fifa. Em 1976, os bávaros superaram o Cruzeiro em jogos de ida e volta na disputa do Mundial Interclubes. Em 2001, derrotaram o Boca Juniors, no Japão - e agora se igualam ao próprio time argentino, Inter de Milão, São Paulo, Real Madrid, Nacional e Peñarol. O Milan segue como maior campeão do torneio, com quatro canecos."

O Estado de São Paulo cita que o Bayern pode ter se tornado somente campeão ou tricampeão, de acordo com quais torneios o seu leitor quiser considerar. Mas o jornal comete um grave erro quando cita o torneio mais antigo, afirmando que se tratava de um "Mundial Interclubes, que era conhecido como Copa Intercontinental" (veja link).

Não, Estado! Mesmo porque o nome oficial desse torneio sempre foi Copa Europeia/Sulamericana, popularmente conhecido como Copa Intercontinental. Essa de Mundial Interclubes surgiu depois, especialmente para vender os direitos de transmissão das partidas. Mas enfim, vamos voltar ao tema do post.

Me surpreendi com algumas mídias brasileiras, que não estão mais bancando 100% do discurso "Copa Intercontinental é Mundial". O Terra, por exemplo, sequer falou em tricampeonato. Citou somente que era a primeira conquista "nos moldes atuais". Veja trecho (matéria completa aqui):

"Esta foi a primeira vez que o Bayern disputou o torneio nos moldes atuais. Em 1976 e 2001, o clube foi campeão da Copa Intercontinental, superando Cruzeiro e Boca Juniors, respectivamente."

Já o UOL está indeciso (rs). Em uma matéria, escancarou o tricampeonato já no título (link). Mas achei outra matéria, deles mesmos, onde não é citada a palavra "tricampeão" e os títulos de 1976/2001 são separados desse de 2013. Vejam aqui essa matéria, e abaixo um trecho:

"O Bayern conquistou seu primeiro título mundial desde que o torneio é disputado por equipes de todos os continentes, após ter sido bicampeão da antiga versão, a Copa Intercontinental, em 1976 e 2001."

Mídias Estrangeiras

Eu pesquisei 15 grandes jornais, de 11 países diferentes, para tentar observar como foi a reação da imprensa estrangeira ao Mundial. A lista tem os seguintes jornais:

ABC - Austrália (link): "Bayern coach Pep Guardiola had won the tournament twice before with Barcelona, while the Bavarians lifted the old Intercontinental Cup twice, in 1976 and 2001." (O jornal cita a Taça Intercontinental como um "antigo torneio", e não faz relação direta entre a mesma e o Mundial)

The Guardian - Reino Unido (link): "The European champions Bayern Munich added the Club World Cup to their collection of trophies when they outplayed Raja Casablanca to win 2-0 in the final." (O jornal fala em "adicionar o Mundial" à coleção, sugerindo que ele não fazia parte da lista de troféus do clube)

France 24 - França (link): "Europe’s reigning champions Bayern Munich won the 10th edition of the Club World Cup football tournament..." (Esse é mais direto ainda: diz que o Mundial está na décima edição e sequer cita os intercontinentais) 

BBC - Reino Unido (link): "But Bayern were never in danger of letting their advantage slip and saw out the game to win the Club World Cup for the first time." (Além de o jornal dizer que é o primeiro título mundial do Bayern, colocou uma tabelinha com todos os campeões anteriores. E só citou os torneios realizados pela FIFA)

Washington Post - EUA (link): "Bayern Munich capped the greatest year in club history by beating Raja Casablanca 2-0 Saturday for its first Club World Cup." (O trecho deixa claro: esse Mundial foi o primeiro - first - do Bayern)

El Comercio - Peru (link): "El técnico del Bayern, Pep Guardiola, había ganado el torneo dos veces anteriormente con el Barcelona, mientras que los bávaros levantaron la antigua Copa Intercontinental dos veces, en 1976 y 2001." (Além de diferenciar os torneios, não cita a palavra "tricampeão na matéria)

La Nación - Costa Rica (link): "Bayern Múnich cumplió los pronósticos y ganó su primer Mundial de Clubes al derrotar al cuadro marroquí, Raja Casablanca por 2-0, en Marrakech." (Logo no início do texto, o jornal já fala em "primeiro Mundial de Clubes"; não cita a Copa Intercontinental)

Clarín - Argentina (link): "El día en que se cumplían 37 años de aquella gesta, el club alemán tuvo otro motivo de festejo: derrotó 2 a 0 al Raja Casablanca y se quedó con la décima edición del Mundial de Clubes, heredero ampliado de aquel certamen, que se disputó en Marruecos." (Cita o Mundial de Clubes como o "herdeiro" da Copa Intercontinental, mas não fala em tricampeonato do Bayern)

Mundo Deportivo - Espanha (link): "El Bayern completó un 2013 espectacular  con la conquista del Mundial de Clubs al derrotar en la final al Raja Casablanca, sorprendente equipo anfitrión, por 2-0 en Marrakech." (Não cita a Copa Intercontinental em nenhum momento sequer)

El Universal - México (link): "Pep Guardiola logró su tercer título en este torneo, el primero para los alemanes, en un partido ante un equipo local que peleó pero que no le alcanzó para dar pelea al Bayern Munich." (Além de o jornal explicitar que trata-se do primeiro mundial do Bayern, não fala nenhuma vez da Copa Intercontinental)

La Gazzetta dello Sport - Itália (link): "Niente scherzi. Il Bayern porta inevitabilmente a casa il Mondiale per club, secondo trofeo stagionale dopo la Supercoppa europea e sedicesimo titolo nel palmares personale di Pep Guardiola." (A matéria cita a vitória do Bayern, afirmando que o clube "leva o Mundial para casa", mas não faz citação à Copa Intercontinental)

A Bola - Portugal (link): "O Bayern de Munique é o novo campeão mundial de clubes, depois de ter vencido na final os marroquinos do Raja Casablanca por 2-0, confirmando o favoritismo." (O jornal não cita a Copa Intercontinental, nem o tal tricampeonato)

Diario Olé - Argentina (link): "El Bayern de Guardiola es el campeón del Mundial de Clubes, tras ganarle 2-0 al Raja Casablanca de Marruecos. Es la tercera vez que Pep que se queda con el torneo y, además, es su segundo título como DT de los alemanes." (Outra reportagem que não faz citação à Intercontinental)

Nessa procura, achei dois jornais que colocam o Mundial como uma "continuação" da Copa Intercontinental, e por isso, contam o título desse ano como o terceiro do time alemão. São eles:

Sports Illustrated - EUA (link): "Bayern won the first of two Intercontinental Cups — the forerunner to this event — exactly 37 years ago." (Coloca a Copa Intercontinental como "precursora" ao Mundial e fala em três títulos mundiais para o Bayern)

ABC - Espanha (link): "El Bayern Múnich unió este primer título en el Mundial de clubes a las dos Copas Intercontinentales que ganó en 1976 y 2001, sumando su tercer trofeo en el cómputo de las dos competiciones y acercándose al récord del Milan, que tiene cuatro." (Também coloca o título desse ano como o primeiro Mundial, mas dá ao leitor a opção de somar esse troféu aos dois da Copa Intercontinental, sugerindo implicitamente que o status de ambas as competições é o mesmo)

-X-
Bom, agora vamos às considerações pessoais: 

Devo dizer que me chamou a atenção a falta de exposição das notícias, pelos portais estrangeiros. Em vários sites, não havia notícias sobre o Mundial na página inicial... precisei acessar a página de esportes, ou até mesmo recorrer à pesquisa, para encontrar o que precisava. Especialmente nas mídias europeias.

O que quero dizer é que, realmente, os jornais brasileiros dão uma cobertura MUITO maior ao Mundial de Clubes do que qualquer outro país. Talvez até mais do que a imprensa dos países-sede, por incrível que pareça.

Penso que isso é um mau sinal. A imprensa cobre um evento de maneira proporcional ao interesse de seu público. E nos últimos anos, o Mundial de Clubes tem precisado de fatos novos, especiais, pra ser um evento realmente especial. Foi assim com a invasão da torcida do Corinthians ano passado, por exemplo. 

Um torneio Mundial de Clubes não deveria depender de distribuição de ingressos pra lotar os estádios nas partidas, como ocorreu nos Emirados Árabes em 2010. Nem deixaria de ter concorrência para definir o país-sede, como ocorreu com o Marrocos, candidato único a receber o torneio no biênio 2013-14.

Quando uma zebra acontece então, o torneio perde metade de sua força. Esse ano, a final disputada entre um europeu e um africano perdeu boa parte da sua exposição - a Globo transmitiu os dois jogos ano passado e obteve audiência recorde para o horário. Nesse ano, não transmitiu nada.

Por mais que a FIFA se diga satisfeita, o Mundial de Clubes pode melhorar muito. Para que se torne REALMENTE atrativo, para todos! E não é difícil fazer isso...

Penso que, se os campeões da Copa Sulamericana e da Liga Europa fossem convidados, teríamos 9 times. Mantida a partida entre o campeão da Oceania com o país-sede, um time seria eliminado. Então, sobrariam oito times que disputariam o torneio a partir das quartas-de-final, com todos jogando desde o início. Cada um jogaria três partidas, e haveria mais chances de semifinais e finais serem mais disputadas, e por isso, emocionantes!

Com mais times grandes jogando, daria pra aumentar as verbas de patrocínio, e por consequência, de premiações. E se a premiação aumentar, o interesse dos europeus aumenta. E assim, com uma coisa levando a outra, o torneio ganharia em credibilidade e interesse do público e da mídia. 

Gostou do post? Quer opinar? Comente, vamos conversar!

1 comentários:

  1. Excelente pesquisa, a ESPN também colocou o Bayern como TRI. No site oficial do Clube eles distinguem a Intercontinental do Mundial. Só a imprensa brasileira que quer ser mais realista que os reis....Abraço

    ResponderExcluir