Mundial de Clubes: 6 mudanças que fariam o torneio ser muito melhor

♠ Publicado por Daniel Keppler em ,,,, às 02:06

Muitas pessoas que conheço ainda não se adaptaram a acompanhar o Mundial de Clubes da FIFA. Veem o fim do Brasileirão como o fim da temporada. Eu já penso diferente... talvez por ser corinthiano e por ter vivido o que foi o Mundial de 2000, quando pela primeira vez tivemos um torneio que reunia todos os campeões continentais. Eu aprendi a gostar do torneio - e acompanhá-lo anualmente.

Bem, estamos em dezembro e o Mundial, sediado no Marrocos, já chegou à fase de quartas-de-final. Tivemos hoje duas partidas: Auckland City (NZL) 1x0 Sétif (AGL) e Cruz Azul (MEX) 3x1 Sydney Wanderers (AUS). Logo entram em ação o argentino San Lorenzo e o espanhol Real Madrid, favoritíssimo ao título.

Mundial de Clubes deixará a África esse ano, após duas edições
Muito da minha simpatia pelo torneio vem de duas coisas: do senso de justiça que ele possui, por dar oportunidades a qualquer time do mundo de ser campeão; e por conta das surpresas que ele pode proporcionar, justamente por ser democrático. Já tivemos equipes asiáticas engrossando contra sulamericanos (como o árabe Al-Ittihad que vendeu caro a derrota para o São Paulo em 2005). Dois times africanos já foram além e chegaram até a final -ambas as vezes em cima de brasileiros.

Que me desculpem colorados e atleticanos, mas são vitórias como as de Mazembe (2010) e Raja Casablanca (2013) que ainda me fazem crer no futebol como esporte.

No entanto, essa "democracia" tem seus ônus, e eles podem estar colocando um torneio com enorme potencial sob perigo. Choveram críticas nas redes sociais sobre a suposta má qualidade dos jogos de hoje. Também se falou sobre o mau estado do gramado e sobre os vazios nas arquibancadas do estádio Príncipe Moulay Abdellah, em Rabat (Marrocos), pondo em xeque a decisão da FIFA de ter cedido a sede do torneio para um país africano.

Não compartilho de todas as opiniões. Não acho que a gente possa fazer qualquer coisa sobre a qualidade dos times participantes. Ora, são os campeões continentais. Se são "bons" ou "ruins", segundo nossos conceitos, o problema é nosso - e dos nossos conceitos. O que importa são as credenciais.

Mas tenho que concordar que o torneio podia ser MUITO MELHOR do que é. Ouso afirmar que a FIFA negligencia seu próprio Mundial. E vou tomar a liberdade de especular sobre algumas melhorias que poderiam ser adotadas, para tornar o campeonato mais atrativo, interessante e disputado. Querem saber?

1 - Instituir um rodízio anual e continental no país-sede

Não sei exatamente que questões levam a FIFA a trocar a sede do Mundial somente de dois em dois anos. Também não entendo muito por que são sempre os mesmos países que se itneressam em receber o evento. Mas acredito que as razões devem ser mais políticas que comerciais, pois só isso explica o torneio nunca ter iso para a Europa, por exemplo.

Acredito que inicialmente a ideia da FIFA era realizar o torneio em grandes países do futebol. A edição 2001 seria na Espanha, e a de 2000 foi aqui no Brasil. Só que no hiato entre 2002 e 2005, algo mudou na mentalidade da organização, e somente países sem tradição no futebol passaram a receber o torneio. Será que a intenção é impedir que haja um forte representante do país-sede, pronto para derrubar o campeão europeu ou sulamericano? Como ocorreu em 2000?

Suspeitas à parte, sou totalmente a favor de que um rodízio seja instituído de fato, e que ele seja anual. TODOS os continentes merecem receber o Mundial de Clubes.

2 - Incluir o campeão da edição anterior

Imaginem o Bayern no Mundial desse ano. Junto com o Real! (Foto: Manuel Assunção / Publico.pt)

Medida difícil, tendo em vista que a FIFA acabou de tirar essa vaga da própria Copa do Mundo. Mas como não concordei com isso, posso defender essa tese aqui.

Nada mais justo que o campeão anterior do Mundial tenha o direito de defender seu título no campeonato seguinte. Seria uma questão de justiça com a competição, e uma boa forma de aumentar o nível técnico de algumas partidas. Não vejo contras nisso, somente prós. De verdade.

3 - Aumentar a premiação em dinheiro

Se para uma boa parte dos times participantes do Mundial o importante é exatamente isso - a participação -, para outros o dinheiro também fala alto. Especialmente para os europeus. E nesse quesito, eu acredito que o torneio ainda peca um pouco.

Hoje em dia o Mundial de Clubes rende mais ou menos US$ 5 milhões ao seu campeão, e US$ 4 milhões ao vice. Realmente não acho que seja um bom prêmio. Ainda que sejam poucos jogos. a simbologia do título deve ter seu equivalente em valor financeiro.

E pra falar a verdade, uma entidade como a FIFA, com as receitas que tem, com os patrocinadores que estão do seu lado, poderia muito bem valorar um pouco o campeonato. Se ela aumentar o valor do torneio, dando-lhe mais visibilidade, tudo aumenta - inclusive os valores dos patrocínios que poderiam financiar um prêmio maior aos vencedores.

4 - Aumentar o número de participantes

Atualmente o Mundial de Clubes tem sete vagas, destinadas aos campeões continentais e do campeonato nacional do país-sede. Estaria tudo bem se não existissem mais QUATRO campeonatos continentais mundo afora que atualmente são ignorados pela FIFA.

Sim, é verdade. Ou você achava que só CONMEBOL e UEFA tinham dois torneios de clubes? Então veja abaixo quais são os 10 campeonatos continentais que existem - e seus atuais campeões:


Incluir TODOS os campeões continentais no Mundial renderia no mínimo um efeito benéfico: faria com a qualidade desses torneios continentais subisse rapidamente. Se a Sul-Americana, por exemplo, desse vaga ao Mundial, não seria vista como a segunda divisão da Libertadores. De repente a CONMEBOL até seria forçada a qualificar o torneio, com uma evelação de status desse tipo.

De toda forma, na minha opinião, um Mundial verdadeiramente inclusivo devia dar vaga a todos os campeões continentais. TODOS. Seria uma forma de democratizar o torneio sem abrir mão do critério de só ter times campeãs. Seria um campeonato mais cosmopolita, mais democrático e certamente mais emocionante.

5 - Acabar com a censura a dois times do mesmo país

Corinthians x Vasco do Mundial-2000, um dos jogos mais disputados da história dos Mundiais (Foto: Alexandre Battibugli / Placar)

Essa é uma sugestão bem pessoal. Eu ODEIO qualquer sorteio ou critério que seja ou pareça ser dirigido. E pra mim esse veto da FIFA não tem razão de ser.

Essa censura acaba fazendo com que a FIFA possa ser obrigada a retirar a vaga do representante do país-sede, caso o campeão continental seja do mesmo país. Dois problemas graves surgem daí: um participante legítimo perderia o direito de disputar o torneio (o campeão nacional) e outro, que não devia ter o direito, disputaria (no caso, o vice-campeão do continente em questão). Ou seja, só problema.

6 - Voltar com a fase de grupos

Quem acompanhou o Mundial de 2000 sabe que há toda uma emoção em saber que seu time precisa ser o líder de seu grupo pra poder passar à fase seguinte. Uma fase de grupo dá chances de recuperação a um time que de repente estreie mal, por exemplo. E essas chances são mais importantes ainda quando o torneio é de "tiro curto", como o Mundial.

O último jogo da 1ª fase em 2000 foi o mais sofrido de todos (Foto: Paulo Whitaker / Reuters)

No torneio de 2001, que seria disputado na Espanha, haveria fase de grupos. Três grupos, inclusive, pois a FIFA havia ampliado o torneio para 12 times - e planejava aumentar para 16. Mas a falência da ISL acabou com o torneio, e em 2005 ele acabou voltando em formato eliminatório.

Será que se a edição 2010 tivesse fase de grupos, o Inter não teria conseguido se recuperar e chegar até a final? E em 2013, o Atlético-MG poderia ir mais longe se tivesse mais jogos a disputar na primeira fase?

Bônus: uma sugestão de formato

Posto tudo isso, para mim um formato interessante para o Mundial seria o seguinte:

Os dez campeões continentais dos seis continentes;
O campeão do país-sede;
O campeão da edição anterior.

Esses 12 times seriam divididos em quatro grupos com três times cada, sendo que os cabeças-de-chave seriam os quatro representantes continentais de UEFA e CONMEBOL (o único privilégio que essas confederações teriam). Os primeiros colocados passariam às semifinais, e os vencedores à final. Simples assim.

No fim das contas, o campeão terá feito quatro jogos para conquistar o título. É possível fazer um torneio nesses moldes em 15 dias - apenas um pouco mais que os atuais 11, 12 dias que o torneio costuma ter, ou seja, é viável.

A grande vantagem dessa fórmula é que teríamos certeza da criação de ao menos um grupo da morte, com a presença de um sulamericano e um europeu - e apenas UMA VAGA EM DISPUTA. Não seria emocionante?

E se o Mundial fosse disputado em um país respeitável no futebol, seriam DOIS grupos da morte. Não precisa levar o Mundial à Inglaterra, por exemplo. Uma edição nos EUA já daria o que falar. Ou na Turquia. Imaginem um Galatasaray da vida disputando o Mundial, ou um Los Angeles Galaxy... seria sensacional!

ENFIM. Nada disso vai acontecer. Há muitos interesses entre o que a FIFA devia fazer em seus torneios e o que ela faz de verdade. Mas valeu o esforço, e o exercício de reflexão, pra ver que com poucas medidas, a Copa do Mundo de Clubes poderia se tornar, na prática, um senhor torneio.

8 comentários:

  1. 12 Equipes divididos em 4 grupos de 3(2 partidas por equipe):
    -Campeões de grupo vao as semi-finais do torneio;
    -Vices disputarao uma chave de 5° ao 8° lugar
    -Terceiros disputam uma chave do 9° ao 12° lugar
    -4 jogos p/ todos os times;
    -premiação distribuida de acordo com a classificação do time

    seria massa.

    ResponderExcluir
  2. Apenas uma palavra "PERFEITO"..!

    ResponderExcluir
  3. Tenho que encerrar minha leitura vindo aqui dizer que o Daniel é uma das pessoas mais lúcidas em minha humilde opinião quando o assunto é Mundial de Clubes.

    Cara, sua visão é perfeitamente coerente com a minha! Eu sempre defendi que o campeão do ano anterior deveria ter a chance de disputar o torneio novamente, e que isso valorizaria muito o torneio, inclusive pela chance que existiria de haver um confronto de duas grandes forças europeias dentro do torneio.

    Como a FIFA sempre alega problemas com o calendário na hora de tentar melhorar as coisas, eu imaginei um regulamento imediato provisório que poderia vigorar por algumas duas ou três edições, até que algumas mudanças pudessem ser feitas para abrigar os 12 clubes que o artigo sugere - e que eu particularmente achei excelente! Seria assim:

    -8 clubes, sendo os mesmos 7 do formato atual, mais o campeão da última edição.
    -Torneio eliminatório, justamente por causa do "calendário apertado".
    -Para evitar que um campeão eventualmente negligencie seu torneio continental, uma vez que vencendo o Mundial de novo ele sempre teria sua vaga garantida (a FIFA SEM DÚVIDA usaria isso como desculpa para evitar adicionar o último campeão) a classificação valeria apenas para a edição seguinte, e caso o último campeão vencesse novamente, a vaga do próximo ano passaria ao vice-campeão, assim como ocorre em vários casos. O mesmo valeria para o caso de o último campeão do mundo ser campeão continental novamente: o vice do continente se classifica.
    -Alguns confrontos pré-definidos poderiam aumentar a expectativa sobre o torneio. Por exemplo: eu acredito que o último campeão enfrentar o campeão do país sede daria um jogo de abertura excelente. Os outros confrontos poderiam ser definidos por critério de rankeamento, por exemplo: o time com melhor aproveitamento na temporada enfrenta o que tiver pior, etc... Ajudaria á motivar as equipes, especialmente aqui na América do Sul, á se manterem competitivas e não esquecerem do campeonato nacional quando tiverem vaga no Mundial assegurada, como costumam fazer.
    -De maneira nenhuma privilegiar confronto final entre Sudamérica e Europa, como acontece atualmente. O que tiver de ser, que seja. Será que a FIFA já pensou que a possibilidade de um clube europeu e um sudamericano se enfrentarem nas semi-finais, por exemplo, poderia ser bem interessante?! E mais: a possibilidade maior de chegar a final motivaria as equipes fora desse eixo. Dar prioridade ás equipes da CONMEBOL e da UEFA tira um pouco da justiça do torneio.

    ResponderExcluir
  4. Boa Reflexão , pena que é apenas uma utopia !

    ResponderExcluir
  5. Mas os times europeus tem muita competição para jogar e os sulamericanos vão estar de férias,por isso só disputam 2 jogos, eu já testei vários formatos mas graças a essa coisa, estragou todos os meus formatos e a única coisa a fazer é deixar esse mundial, parabéns FIFA, você ganhou.

    ResponderExcluir
  6. Cara tipo eu faria diferente tipo vocês ja perceberam que a copa das confederações é a mesma coisa que o mundial de clubes só com outro formato e com seleções? Pois é eu faria o mundial de clubes com 2 grupos com 4 equipes cada em 3 rodadas as 2 equipes de cada grupo passaria para as semifinais e final e pronto

    ResponderExcluir
  7. Eu mudaria o formato da Libertadores eu deixaria o mesmo formato da Liga dos Campeões da UEFA com os playoffs e depois os sorteios dos grupos e depois nas oitavas fariam os sorteio dos confrontos até as seminais e final única eu acho que ficaria melhor

    ResponderExcluir