Malcom: mais um que vendemos por dinheiro de pinga. Até quando?

♠ Publicado por Daniel Keppler em ,,,, às 12:05
Malcom: promessa no Corinthians, realidade no Bordeaux (Foto: Agência Corinthians)
Acabou de sair na imprensa: o Corinthians não tem mais nenhuma porcentagem dos direitos do atacante Malcom, cria do clube e que atraiu a atenção dos franceses do Bordeaux, que acabaram acertando sua compra no início do ano passado. Não custa lembrar os termos do negócio firmado à época: o clube europeu desembolsou € 5,5 milhões (ou cerca de R$ 22 milhões) para tirar o atacante do Parque São Jorge, dos quais apenas 30% seriam destinados ao Corinthians. Como o clube escolheu vender apenas metade dos seus direitos, acabou ficando com apenas R$ 3,3 milhões. Ou cerca de seis meses de salários do Cristian, por exemplo. Por uma das nossas maiores promessas da base. Enfim!

Continuar com metade dos direitos sobre o Malcom (15%) foi um lapso de bom senso de uma diretoria que vem se destacando pela competência em fazer maus negócios. Um alento, digamos assim, diante de um cenário sombrio vivido pelo clube, que arrepia qualquer corinthiano. Empresários ainda detendo influência e participações quase obscenas nos direitos dos nossos atletas; uma demora inexplicável para fechar qualquer negociação de reforços ou renovação de contrato; comercialmente, uma flagrante desvalorização da nossa marca, que tornou a tarefa de fechar acordos robustos de patrocínio em algo hercúleo; sem falar no clima de total instabilidade política que insiste em rondar o clube. Vamos convir que é um cenário tenso, então qualquer sinal de uma decisão sensata dessa diretoria merece destaque...

Não vou questionar muito o fato de termos nos desfeito, na época, de um jogador que havia acabado de ser eleito uma das 10 maiores promessas sub-18 do mundo, em lista produzida pelo portal Goal.com - à frente, inclusive, do badalado Gabriel Jesus, comprado a peso de ouro pelo Manchester City. Isso pois o Corinthians detinha uma minoria dos direitos do rapaz, e certamente a negociação teve dedo de seu empresário. Creio que se o Corinthians tem alguma culpa nisso, foi em permitir que Fernando Garcia detivesse 35% dos direitos do Malcom. Por isso, exalto tanto a decisão de se manter com os tais 15% do jogador.

Vamos avançar no tempo: janeiro desse ano. Depois de muito fuçar o mercado, o Corinthians encontra no próprio Bordeaux o nome que buscava para reforçar a defesa: o zagueiro Pablo, de 25 anos. O negócio foi fechado por empréstimo, com valor de compra pré-fixado no contrato. Não demorou muito para que o jogador caísse nas graças de Carille e da torcida: virou titular absoluto, e jogador fundamental para que o Corinthians se tornasse uma das defesas mais seguras do país. A certeza de que se tratava de um jogador especial fez com que, já em abril, o clube começasse a admitir a vontade de adquirir o zagueiro em definitivo.

A partir de então, as idas e vindas foram muitas: em junho, o clube francês tentou envolver Guilherme Arana no negócio, o que felizmente foi rechaçado pela diretoria corinthiana (às vezes eles pensam). Mas foi no mês seguinte que as partes chegaram mais perto de um acordo, quando o Corinthians propôs incluir os 15% de Malcom no negócio - e o Bordeaux chegou a aceitar, tanto que o negócio chegou a ser anunciado como concretizado. Mas em seguida, melou, por conta de divergências na forma de pagamento do agente do zagueiro, pelo que parece. E, desde então, o assunto morreu.

Só que em agosto a temporada europeia começou. E qual não foi nossa surpresa ao vermos como ela começou para Malcom: o brasileiro vem brilhando na Ligue 1. Só nas primeiras seis rodadas, foram três gols e três assistências. Nem mesmo o fracasso de seu time na Liga Europa serviu para minar o seu sucesso, de público e crítica, que esse mês foi coroado por mais um veículo de imprensa: o L'Equipe emplacou o jovem no 21º lugar de uma lista dos 50 melhores jogadores sub-21 do mundo. Já era certo de que Malcom havia deixado de ser uma promessa e se tornado uma realidade no Bordeaux. E que realidade!

E justamente nesse contexto, quando finalmente ficou claro o quanto Malcom evoluiu, quando todos estão vendo o tipo de jogador que ele está se tornando e pode se tornar em um futuro muito próximo, vem a bomba: o Corinthians aceitou se desfazer dos seus últimos 15% sobre o jogador por ridículos € 4,5 de euros (ou R$ 16 milhões). Somando as duas negociações, o clube não levou sequer R$ 20 milhões por um jogador que, do passado pra cá, já foi apontado como um dos 10 melhores jogadores sub-18 e um dos 20 melhores jogadores sub-21 do mundo. É mole ou não é?

O primeiro pensamento que me vem à mente é que, de fato, não aprendemos absolutamente NADA com o caso Marquinhos. A menos que o Malcom esqueça seu futebol da noite para o dia, será questão de tempo até que algum clube mais gabaritado o tire do Bordeaux, gerando aos franceses um lucro estratosférico. E a nós, restará as migalhas do mecanismo de solidariedade da FIFA - que no caso dele, representam 3% de qualquer futura transação. Nem um pouco suficiente pra aplacar a frustração pelo péssimo negócio.

O segundo pensamento que me vem à mente é sobre o que justifica se desfazer dos 15% de Malcom por um valor que é tão escancaradamente abaixo do que ele vale. Nosso rombo financeiro é muito maior do que esses R$ 16 milhões; além do mais, o clube ainda não parece ter esgotado todas as opções de enxugamento das receitas. E pra piorar, nem mesmo a questão Pablo foi resolvida com esse negócio. Ou seja, foi bom pra quem?

Por fim, só me resta lamentar profundamente que o Corinthians continue achando OK dilapidar seu patrimônio dessa forma. Podemos ter evoluído muito nos últimos anos, aumentado nossa reputação, nos organizado em diversos aspectos. Mas se tem algo que ainda não sabemos fazer, é negociar atletas. Relembrar, por exemplo, que já em 2012 o São Paulo conseguiu receber R$ 108 milhões do PSG por Lucas Moura, e que há pouco mais de um ano o Palmeiras levou R$ 121 milhões do Manchester City por Gabriel Jesus só faz aumentar essa minha certeza, e a vergonha por ver nossa diretoria se contentar com somas tão menores por um jogador de potencial similar. Dinheiro de pinga, não tem outra definição.

Até quando, Corinthians?

0 comentários:

Postar um comentário